Director: Octávio Soares - Contacto: 00239 9923140 - E-mail: jornaltropical05@hotmail.com - www.jornaltropical.st

Publicidades

 

Transferir STome_logo_cmyk.jpg (1075,9 KB)


Afriland First BanK- O Banco de confiança

 

Programa de Apoio Participativo à Agricultura Familiar e Pesca Artesanal (PAPAFPA)
 
Sociedade de Manutenção, Construções e Serviços
   
CERVEJEIRA ROSEMA 

Transferir STome_logo_cmyk.jpg (1075,9 KB)

siga-nos no Facebook

 https://www.facebook.com/SaoTomePestana

 

Produtores santomenses de

 cacau encaixam 450 mil euros

 

 

12-5-2014   A cooperativa de produtores e exportadores de cacau de qualidade de São Tomé e Príncipe, CECAQ11, arrecadou em 2013 cerca de 450 mil euros na exportação de 189 toneladas de cacau biológico seco para a Europa, soube-se de fontes seguras.

O presidente da CECAQ-11, Adalberto Luís, confirmou que em 2013 a maior organização de mercado justo da Europa comprou 12 contentores de cacau biológico seco, provenientes da região centro e sul de São Tomé, dos agricultores filiados na cooperativa, sendo que outros dois contentores foram vendidos para uma empresa inglesa.

Em declarações à PANA, este responsável garantiu que os produtores obtiveram ganhos no ano passado com o aumento do preço do cacau seco, tendo recebido por um quilo de cacau seco 41 mil dobras (moeda local), equivalente a cerca de 1 euro e 50 cêntimos.

Adalberto Luís considera que a atribuição de certificação biológica ao cacau produzido pelos agricultores pertencentes à cooperativa constitui um valor acrescentado à terra e à ausência de produtos químicos prejudicais à saúde no cacau saído das parcelas dos pequenos agricultores.

Este ano, a cooperativa e os agricultores estimam exportar cerca de 300 toneladas de cacau seco para os seus compradores da GEPA (Alemanha) e de Café Direto (Inglaterra).

Em São Tomé e Príncipe encontram-se neste momento duas auditoras da Flo Cert, uma organização alemã situada na cidade de Bona, responsável pela fiscalização do impacto do preço justo na vida dos agricultores.

Em junho, a cooperativa vai receber outra fiscalização da “Eco Cert”, empresa que emite a certificação biológica a uma linha de produção agrícola, sediada em França com uma sucursal no Burkina Faso.
redação com pana

 « Retroceder


 

 
 
 
Jornal Tropical | Todo Direito reservado | Av. Marginal 12 de Julho | São Tomé e Príncipe | jornaltropical05@hotmail.com - 00239 9923140