São Tome e Príncipe vai elaborar o plano de ordenamento marítimo

Iniciou esta segunda-feira em São Tome e Príncipe o seminário para elaboração do plano de ordenamento marítimo para o Golfo da Guine.

A formação decorre no Hotel Praia com duração de cinco dias, destinados aos representantes técnicos da sub -região do Golfo da Guine.

Fazem parte nesta formação representantes dos seis países membro de WACA , nomeadamente, Costa de Marfim, Mauritânia, Benin , Senegal, Togo, e São Tome e Príncipe.

Neste evento serve para identificar as metodologias necessárias para que cada país produz no futuro o seu plano. A iniciativa resulta da parceria entre o Projecto do Investimento em Resiliência para a Costa Ocidental de África –WACA, a União Internacional da Conservação  da Natureza , UICN, o secretariado da Convenção  de Abidjan e o Banco Mundial.

O Coordenador do Projecto WACA em São Tome e Príncipe, Arlindo Carvalho disse, o mar é um grande potencial para o desenvolvimento sócio económico do nosso país. Existe no mar grande potencialidade que pode ser explorado como, o recurso energético, recurso piscatório, como petróleo e dentre outros .

Para este responsável, na realidade para que a exploração possa ser feita de forma harmoniosa durável e sustentável é necessário fazer uma planificação, se não, vai haver uma sobreposição das actividades que podem por em causa a segurança e não só, a sustentabilidade do mar. Por isso, segundo Arlindo Carvalho “essa formação tem como objectivo de dar o conhecimento teórico e prático de como preparar as condições para ter acesso aos meios financeiros para a elaboração futura de planificação no país”.

Conforme as informações do Arlindo Carvalho, “com a produção desse instrumento vai potencializar todo o espaço da Zona Económica Exclusiva de São Tome e Príncipe”.

O Ministro Osvaldo Abreu quem presidiu abertura da cerimónia disse, o mar constitui uma fonte fundamental para o desenvolvimento sócio económico do nosso país”, pois tendo reconhecido “neste sentido esta formação no domínio de planificação espacial marítima, reveste-se de grande importância para São Tome e Príncipe em particular e para todos os nossos países e geral já que este oceano atlântico que separa S. Tome e Príncipe dos restantes países vizinho da nossa sub-região”.

O. Soares

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será publicado.


*