Contacto -: +239  9923140 -jornaltropical05@hotmail.com

 

 

Maximino Carlos - segunda-feira

São Tomé: porto de águas profundas arranca

 para o mês que vem

Nos próximos anos, São Tomé e Príncipe, vai ultrapassar o seu constrangimento na funcionalidade eficaz de portos. Foi encontrada uma saída com um grupo de empresários de Angola, Gana e de São Tomé e Príncipe para solucionar o problema do país que não dispõe de um porto seguro.

São 450 milhões de euros para a construção do porto em águas profundas em Fernão Dias, no norte da ilha de São Tomé, e gestão dos portos do arquipélago. O projecto foi atribuído ao consórcio Safebond, constituído por empresários de São Tomé e Príncipe, Gana e Angola.

Para o ministro são-tomense de infra-estruturas, Osvaldo Abreu, é o início do fim para se encontrar uma saída de funcionalidade dos portos no país

Como início do fim de todos os constrangimentos que temos vivido considerando as limitações que nós temos nas nossas entidades portuárias

Osvaldo Abreu, referiu que será um impulso para o desenvolvimento da economia são-tomense como um país arquipelágico.

E que seja uma fonte de emprego para a nossa juventude e para a nossa população

O referido consórcio vai explorar o futuro porto durante 30 anos, porto este que terá valências para prestação de serviços no golfo da Guiné. Safebond garantiu que tem competências técnicas e financeiras para realizar o projecto, prevendo-se que a primeira fase de construção do porto de Fernão Dias esteja concluída nos próximos 5 anos.

De acordo com António Aguiar, membro da equipa de avaliação do projecto, o futuro porto estará apto para realizar actividades complementares, dentre das quais a recepção e reparação de navios e o armazenamento de combustível, garantindo uma posição-chave para a prestação de serviços no Golfo da Guiné.

O contrato de concessão prevê ainda que o grupo garanta a gestão do cais de Ana Chaves, a nordeste da ilha de São Tomé, e o pontão de Santo António na ilha do Príncipe. Durante a cerimónia de assinatura do contrato, foi comunicado que consórcio também concordou com a formação dos recursos humanos do sector portuário do país.