Contacto -: +239  9923140 -jornaltropical05@hotmail.com

 

 

São Tomé e Príncipe: Início do ano lectivo adiado para Outubro

 

O governo são-tomense decidiu adiar para o início de Outubro o ano lectivo 2022-2023, para evitar que os estudantes sejam expostos ao pulsar das eleições. Inicialmente previsto para a primeira semana de Setembro, o adiamento deve-se à realização de eleições legislativas, autárquicas e regional a 25 Setembro.

O governo são-tomense decidiu adiar para o início de Outubro o ano lectivo 2022-2023. Inicialmente previsto para arrancar na primeira semana de Setembro, o adiamento deve-se à realização de eleições legislativas, autárquicas e regional a 25 Setembro. O Governo quer evitar que os estudantes sejam expostos ao pulsar das eleições. 

O ano lectivo 2022/2023 terá vários desafios, entre os quais a construção de mais salas de aulas e admissão de mais professores.

O anúncio do adiamento do arranque do ano lectivo foi feito pelo primeiro-ministro são-tomense, Jorge Bom Jesus, na localidade de Mestre António, na escola Maria Augusta Martinez.

O chefe do Governo reconhece que o próximo ano apresenta vários desafios, que passam por responder ao elevado número de alunos nas escolas do país: “Estamos acima de um universo de mais de 83.000 alunos, para 10.000 docentes, em mais de 250 estabelecimentos escolares.”

Tendo em conta que a maioria da população estudantil é jovem, a aprendizagem digital será uma realidade no próximo ano lectivo, através da cooperação entre um grupo de parceiros de educação e a UNICEF, segundo a ministra da Educação e Ensino Superior, Julieta Rodrigues.

A titular da pasta da educação sublinhou que se têm multiplicado esforços para a abertura de mais salas de aulas no país, assim como para a admissão e contratação de mais docentes. A governante acrescentou que no âmbito do projecto de empoderamento feminino, diversas escolas, vão ser objecto de obras de reabilitação com a construção de casas de banho.

O ano escolar 2022/23 arranca a 03 de Outubro, em São Tomé e Príncipe.

Texto por: Maximino Carlos

RFI